Archive for February, 2008

“Outro Doce” de Eduardo Xuxu – Som para qualquer tempo.

Posted in Novos talentos with tags , , , on 29/02/2008 by transitoriamente

capa-outrodoce-eduardo-xuxu.jpg 

É mais fácil pegar opiniões emprestadas ou pensar as suas? 

Na história recente da música catarinense nomes como Pipodélica e Eduardo Xuxu já fazem parte tanto de opiniões sensatas quanto de outras pré-concebidas e viciadas.  

Gostando ou não, fala-se! Sabendo-se ou não, ninguém diz “não sei”. Exatamente aí que mora o perigoso risco da superficialidade da análise, ou por acaso você costuma degustar um copo de Nescau buscando a sutileza da última safra de cacau? 

Acostumamos-nos com datas e nomes, e aí então se busca o primeiro e mais fácil sinal a fim de se rotular: isso é assim, aquilo é assado! É o risco do produto e sua rotineira obsolescência programada.  

Despeça-se do ontem, você acordou e apesar da xícara continuar ali, no mesmo lugar, existe algo novo em você, independente das horas.  

eduardo-xuxu-outro-doce-transitoriamente.jpg

Em “Outro Doce”, o primeiro trabalho-solo de Eduardo Xuxu, não há ninguém ali, parece que existe uma “ante-sala em trânsito”, uma música inacabada, um eco detectado por antenas de um cientista que busca o som do passado, ou de amanhã. 

As antenas de Eduardo Xuxu e Suzuki Bata, do Duo experimental ABesta  (responsável pelo “noise” do disco), parecem estar apontadas para o não-tempo, o não-lugar, o inverso da lógica itinerante comum.   

Por outro lado, e muito espertos diga-se de passagem, os figurões do MySpace Brasil já sondam Eduardo Xuxu, como quem analisa um fragmento caído do espaço.  

Analisando friamente e ouvindo com o coração, as três primeiras canções de “Outro Doce” já são capazes de orquestrar o mundo idílico de qualquer sonhador, e melhor, com os dois pés no chão. 

Faz bem andar em direção a lugar nenhum e, acredito eu, Eduardo Xuxu caminha rumo ao não estar. 

“Outro Doce” não é! Simplesmente porque não foi um dia. 

Fundamental. 

Bom som e um abraço, Antonio Rossa 

Maiores informações: www.myspace.com/eduardoxuxu

Ficha Técnica:

Eduardo Xuxu – Todos os instrumentos, voz, letras e músicas / Suzuki Bata – Samplers / Amexa – Engenharia de gravação / Maurício Peixoto – Arte de capa / Gravado no Estúdio 3958 – Fpolis-SC

Aerocirco + Felixfônica + Ilha de Nós – HOJE (29.02)

Posted in Uncategorized on 29/02/2008 by transitoriamente

clube-da-luta.jpg

Comunicação Integrada: Ele morreu e no seu enterro só chegaram e-mails

Posted in eu tambem with tags , , on 28/02/2008 by transitoriamente

fluxo-de-informacoes.jpg

São das mazelas que o povo gosta mais, pelo menos de vê-las estampadas nas capas das revistas ou jorradas na TV.

Quando saiu uma pesquisa que indicava o Brasil como o maior “consumidor” de orkut do mundo, uma certa conduta difamatória se instaurou. Algo do tipo “eu fumo, amo o cigarro, mas condeno o vício”.

Não foram poucos os exemplos de pessoas dizendo: “Isso é coisa de países de terceiro-mundo mesmo”, ou , “Lá fora esse negócio não pegou”. Agora eu lhe chamo para uma reflexão: a comunicação é uma real necessidade do ser-humano, não é mesmo?

Pois bem, como uma real necessidade nos sentimos mais confortáveis quando esta necessidade é satisfeita, nada demais até então. Há pouco tempo atrás qual era a modalidade de comunicação mais utilizada pela população?

As visitas, as conversas nas ruas e o telefone, ainda que este último em menor grau. Nas ruas habitava um flexível e dinâmico meio de comunicação, onde as pessoas ficavam “por dentro” dos assuntos da comunidade, da cidade e até mesmo do país e fora dele.

Adicionado a este fluxo natural de comunicação, somava-se aí todo o calor de uma conversa frente a frente, ainda mais quando regada a café com leite, bolinho de chuva e chimarrão.

Num grupo maior do que três pessoas, a vez de falar era perseguida com determinação e muita vontade, gerando um desfecho de prazer e libertação quando sua idéia ou ponto de vista eram jogados neste fluxo multifacetado de informações.

Sorrisos ora de dúvida, ora de confirmação. Trejeitos e olhares, testa franzida e longos desfechos para histórias muitas vezes improváveis. Isso sem contar no improviso para se contar algumas histórias multi-repetidas.

Nas conversas em casa ou na rua nós tínhamos a oportunidade de conhecer as pessoas, sentir o cheiro, abstrair trejeitos e se sentir dentro de um grupo. Salvo exceções, estes grupos eram formados por ocasiões, não necessariamente por interesses. Talvez fosse o mesmo interesse de hoje, não sei, a diferença são os resultados, as amizades duradouras, a sensação da saudade entre corpos que se distanciavam fisicamente.

Estou há dias defronte ao meu computador, escrevendo, desenhando, planejando e falando com diversas pessoas da minha lista de msn. Outra parte dos meus contatos, incluindo os do msn, estão no meu orkut.

 

Sim, eu tenho um orkut, exatamente aquela ferramenta que muitos dizem ser uma vitrine descarada de possibilidades ilusórias.

Tudo bem, eu sei, nos “orkuts” da vida todo mundo lê Fernando Pessoa, ouve Chico Buarque e gosta de pessoas inteligentes.

Fora este fato crucial, eu lhe pergunto, como vamos satisfazer nossa real necessidade de comunicação? Comunicar-se é apenas emitir uma palavra até que esta alcance o seu receptor? Ou será a comunicação um amplo espectro de possibilidades, sons, cheiros, tato, mente e coração.

Enquanto encho minha agenda de compromissos, perco espaço na minha vida e alimento a minha ansiedade de alcançar coisas que eu nem mesmo consigo precisar.

Por via das dúvidas, como estou aqui sozinho no meu escritório conversando com o mundo, ainda prefiro poder contar com o meu companheiro orkut, já que sair pelas ruas cantarolando pode ser visto como uma cínica felicidade, sentar numa praça pode gerar o fato de eu perder minha carteira (ou até mesmo minha vida) para um assaltante de ocasião.

Nossas praças estão descuidadas, nossas ruas perigosas e nossa sociedade doente. Até mesmo naquele espaço chamado Shopping-Center, onde alguma chance de interação poderia acontecer, os laptops estão sobre as mesas com rostos pálidos contanto suas vidas nos binários 0 e 1, até o dia em que alguém morrer e no seu enterro só chegarem e-mails.

 

Comunicação Integrada também envolve pessoas, você sabia disso?

Pense nisso, Antonio Rossa

KRONIX em estúdio – Gravando o sucessor de “Desfaz o Tempo”.

Posted in musica with tags , , , , , on 28/02/2008 by transitoriamente

kronix-oficial-1bcwsa.jpg 

Na foto: (esq/dir) Maninho, Zé, Ed e Lucas 

Quem acaba de entrar em estúdio para gravar seu segundo trabalho é a Kronix, grupo catarinense que lançou em 2005 o EP “Desfaz o Tempo”.

A banda é formada por Lucas Figueiredo (Vocal e Teclados), Ed Rodrigues (Guitarras), Sérgio Maninho (Bateria) e o mais novo integrante Zé Berreta (Baixo).

Tive a oportunidade de filmar no ano passado o videoclipe da música “Insano”, vídeo que já ultrapassou 8.300 visitas e que você confere logo abaixo.

Segundo o vocalista Lucas Figueiredo, eles pretendem gravar o disco com bastante calma, utilizando bem o tempo de estúdio, sem pressão de prazo. Ao mesmo tempo Lucas sugere que este segundo trabalho estará muito mais próximo daquilo que a banda pretende em termos de produção e sonoridade, já que a produção está a cargo da própria banda e do experiente produtor Alexei Leão, o Xei.

Em breve o Trânsito Musical estará acompanhando as gravações do novo disco da Kronix, trazendo as novidades pra vocês.

Bom som e um abraço, Antonio Rossa

Eu Também – Depois de 1.170 cópias vendidas…

Posted in eu tambem with tags , , , , , on 26/02/2008 by transitoriamente

eu-tambem-antonio-rossa-filipe-polese-2005.jpg

Filipe Polese e eu lançamos “Eu Também”  em dezembro de 2005. Trata-se de uma conversa entre dois amigos – via e-mail e msn – à respeito da vida comum, suas alegrias e angústias, oportunidades e desperdícios, garra e covardia, enfim, aqueles sentimentos que tanto eu quanto você, em algum momento da vida, sentimos ou sentiremos.

Com um enfoque bastante pessoal focado nas “distâncias relativas tecnológicas” e na “ausência do diálogo como fonte de idéias”, “Eu Também” muito provavelmente poderia ter sido escrito por você em algum momento.

No “Eu Também”, prosa e poesia se misturam, não há uma preocupação estética definida a não ser a liberdade de escrever, pensar e não voltar atrás, pelo menos até a próxima página.

O livro já alcançou 1.170 cópias vendidas, o que para nós foi uma genuína alegria, tendo em vista a maneira usual – e nem sempre receptiva – que as pessoas geralmente tratam obras independentes.

Você também pode adquirir “Eu Também”, nas Livrarias Catarinense (Florianópolis e Curitiba), nas Livrarias Convivência (UFSC), A Sua Livraria (Lages) ou pelo e-mail antoniorossa@transitoriamente.com.br

“Eu Também” chegará em sua casa, em qualquer lugar do Brasil, pelo valor de R$19,00 (despesas inclusas) ou R$14,00 (Região da Grande Florianópolis).

Boa leitura e um abraço, Antonio Rossa

Eu Também – Antonio Rossa/Filipe Polese – 104 p – Editora Pallotti, 2005. ISBN 85-89833-35-6

Yaël Naïm – Para segundas-feiras chuvosas e noites tranquilas.

Posted in musica with tags on 25/02/2008 by transitoriamente

yael-naim-cantora.jpg 

 

Pra começar a semana com boas energias, um bom som é quase sempre um ótimo elixir.

Apresento a vocês a cantora franco-israelita Yaël Naïm (super dica de Joel Minusculi do “Pega no meu blog”), dona de uma doce voz e com músicas que arrebatam o coração até mesmo de quem é insensível àquela simplicidade impactante, aliás, simplicidade é a linha que define bem o seu trabalho. 

Yaël lançou em 2007 o seu primeiro álbum, o homônimo Yaël Naim, com uma boa “mistura cultural” de sonoridades, letras e plásticas, construídas sobre uma – ao mesmo tempo – doce e forte voz.

Com algumas partes das letras cantadas em francês e hebraico, a voz de Yaël Naïm aliada a criativas misturas, pode fazer muito bem aos seus ouvidos, e a sua semana também. É doçura sem melado, grude que não é chiclete, é todo o sabor de apenas uma dose.

O disco da cantora está repleto de surpresas inusitadas em cada faixa, coisas que só aparecem alguns minutos após a canção, algo que permanece, você me entende?

Impossível não suspirar ao som da belíssima Paris. Tem até uma versão muito bacana da música Toxic, de Britney Spears, que ganhou uma roupagem sutil e melodiosa.

Vou tomar um café e ouvir Yaël. e você vai fazer o que?

Bom som e um abraço, Antonio Rossa  

Maiores informações: http://www.myspace.com/yaelnaim

Obs.: A canção “New Soul” é tema do comercial do MacBook Air, da Apple.

Trânsito Musical – Gubas & Os Possíveis Budas

Posted in transito musical with tags , , , , , , on 22/02/2008 by transitoriamente

gubas-os-possiveis-budas-thiago-eriksson.jpg 

Foto: Thiago Eriksson

Quem está neste novo Trânsito Musical é o Gubas & Os Possíveis Budas, que atualmente encontra-se em estúdio finalizando as gravações do seu primeiro CD. 

O programa ainda conta com comentários dos produtores Ricardo Vidal (que também trabalha com O Rappa e Wanessa Camargo) e Tom Saboia.

Foi lá do Estúdio 55 que saíram os mais recentes trabalhos dos catarinenses Dazaranha, Missiva , Tribuzana e John Bala Jones, além do bom Translatação, do Iriê.

Além de alguns detalhes das gravações, você confere análises sobre a cena musical catarinense, bandas independentes, mídia e “muito groove”.

Um abraço, Antonio Rossa