Archive for December, 2011

Transitoriamente: 2011 passado a limpo

Posted in musica with tags , , , , , , , on 26/12/2011 by transitoriamente

O ano de 2011 foi de muito trabalho e importantes projetos para a Transitoriamente.

Fazer uma retrospectiva não é simplesmente “mostrar aquilo que fizemos ou por onde andamos”, mas também colocar em perspectiva – mesmo que internamente – os erros e acertos de cada etapa do caminho, suas memórias e seus aprendizados. Compreender até onde o nosso trabalho de fato foi positivo e necessário para a comunidade.

A cada trabalho uma experiência inédita, uma nova vida que se abriu e que muito contribuiu para o nosso crescimento pessoal e profissional.

Mesmo diante de pixels, dígitos e softwares, são as pessoas e suas emoções aquilo que nos motiva a continuar batalhando e evoluindo.

A cultura do nosso estado (e suas ligações com outras culturas) permanece sendo o principal combustível criativo da Transitoriamente. Mostrar a nossa gente, os nossos artistas, isso é uma honra e um sonho que realizamos dia após dia.

Alguns projetos ficaram para ser lançados em 2012. Ao longo desse post vocês saberão do que se trata.

Agora é viver para ver.

Um grande abraço a todos e um 2012 pleno de conquistas,

Antonio Rossa

WEBSITE OFICIAL E O NOVO LOGOTIPO.

Começamos o ano com o lançamento do nosso website oficial e do nosso novo logotipo “A Chave”.

Eu desenhei o site, Rodrigo Dutra projetou o logotipo comigo e o webmaster Isaac Alves programou.

Ainda em 2012 deverá ser lançada a versão HTML5 do site.

OUTRAS PESSOAS

Tive o imenso prazer de dirigir e filmar o vídeo-release do projeto “Outras Pessoas”, de Silvio Mansani, e que ainda contou com as ilustres presenças de André Mehmari, Luiz Gustavo Zago e do Quinteto de Cordas Catarinense.

“Outras Pessoas” foi gravado no The Magic Place Estúdios, em Florianópolis, por Renato Pimentel e Doug Herd.

Ainda dentro do mesmo projeto criamos o blog e o site oficial do Mansani.

LEANDRO CHAVES E SUA ALDEIA

Em abril tive a alegria de ser convidado para fotografar a estréia de “Aldeia”, a primeira exposição do artista plástico catarinense e premiado diretor de arte publicitária Leandro Chaves.

Na época escrevi um post sobre. Leia aqui.

LUIZ GUSTAVO ZAGO

Fiz também uma emocionante sessão de fotos com Luiz Gustavo Zago, em pleno Teatro Álvaro de Carvalho, o TAC, em Florianópolis.

Esse material está sendo utilizado em veiculações de mídia e fará parte do novo website do músico.

MUSADIVERSA

Fizemos a capa e o encarte do projeto Musadiversa, um belíssimo trabalho musical que reuniu um timasso de músicos catarinenses.

Felipe Coelho, Luiz Gustavo Zago, Mauro Borghezan, Rafael Calegari e Maycon de Souza criaram um trabalho ímpar para a música instrumental mundial.

A capa foi criada e pintada por Marcela Machado.

NUVEM AO VIVO

Completados dois anos do lançamento do NUVEM, meu primeiro disco, tive a honra de ser convidado para participar da 1° Maratona Cultural de Florianópolis. Alegria imensa em poder subir ao palco com os músicos da Sociedade Soul, ou seja, a mesma banda que gravou e arranjou o NUVEM.

A cantora Bruna Gargioni fez umas participação especial e deu o ar da sua graça em “Quem de Nós?”.

Quem esteve presente na Célula sabe que foi um momento muito especial, poder subir ao palco com tanta gente talentosa.

INDISCIPLINA

Pra fechar o ano com alegria e novidade a Carbono 12, sob direção de Juliano Malinverni, lançou o projeto Indisciplina.  Uma pá de gente legal participou dessa aventura.

Vocês podem conferir um texto meu sobre o projeto (clique aqui)  e abaixo uma das minhas participações.

NOVOS LANÇAMENTOS – 2012

Para o primeiro semestre de 2012 teremos o lançamento de dois DVDs musicais.

Brasil Papaya Emancipation está em vias de finalização e o Camerata Florianópolis – Clássicos com Energia já está na timeline. O primeiro foi gravado no histórico Teatro Álvaro de Carvalho, o TAC. Já o material da Camerata foi captado no novíssimo estúdio Ba-o-Bah.

Que venha 2012 e o fim de alguns mundos!

Transitoriamente 2011

Indisciplinado por opção

Posted in musica with tags , , , , , , on 23/12/2011 by transitoriamente

Juliano Malinverni coordenou a trupe e junto com a sua Carbono12 produziu uma série de programas “webaudiovisuais” que já começaram a dar as caras na rede e em outras redes por aí.

Música e poesia embalados numa roupagem  transmidiática, algo que pode ser entendido como uma história que começa a fazer parte de outras histórias em diversas mídias e assim por diante.

Até o momento já foram lançados três vídeos, e vocês poderão assisti-los logo abaixo.

Em verdade, só poderei aqui me ater a minha própria visão da coisa, já que em nenhum momento me foi esclarecido ou determinado coisa alguma. Ponto positivo, e lúcido, para um projeto chamado Indisciplina.

Somos fisgados por inúmeras coisas, propagandas televisivas fazem isso de forma magistral. Pois bem, indisciplina me pegou feito mel num formigueiro.

Depois de um exaustivo, mas muito produtivo ano de trabalho com a Transitoriamente, o que eu mais desejava era não entrar em mais nenhum projeto até a virada do ano. Indisciplina me pegou, eu já disse, mas repito. Indiscplina me soou desafiador, antes mesmo de eu ter qualquer noção do que viria. Disciplina possivelmente não me atrairia naquele momento.

A escalação das pessoas foi um bom indício de que algumas coisas seriam diferentes. Sim, as cercas pareciam menos cercadas, e as obviedades dos grupos teriam nesse projeto uma cara nova. Novos ventos, sem aquele ranço de cartas marcadas.

Jean Mafra, Vina da Caverna, Gabriel Jacomel, Juniores Rodrigues, François Muleka, Beni Menezes, Caio Lopez, Guilherme Malinverni, Felipe Melo, Jordane Camara e Kim Knoche. Foi um prazer trabalhar com algumas pessoas que eu ainda não conhecia, e outros velhos de guerra, num clima mais aberto, sem pré-definições.

Poesia musicada? Hmmm. Eu precisa fazer isso, mesmo sem ter a clareza de que precisava. Creio que eu já sabia, mas ninguém havia me confirmado isso. Juliano fez o convite e a partir dali foquei na indisciplina minha maneira de contribuir com o projeto.

Hmmm. Poesia musicada? Interessante, e logo após pensei se não haveria alguma poesia que se encaixaria nessa proposta. Espera aí, não havia proposta, ou pelo menos a proposta era simplesmente propôr formatos iniciais, e o que viria em seguida seria um próximo e inédito passo.

Chegamos ao dia da primeira gravação. Foi uma música de autoria do Juliano, que eu ouvi algumas vezes e arrisquei ir ao estúdio sem ensaios. Não sei se foi uma boa idéia, e só saberei que não ficou legal caso a música não venha a ser lançada. Tenho certeza de que a rapaziada não será tão irresponsável quanto eu.

O efeito colateral beirou uma ressaca, um porre. Acho que levei a sério demais esse lance de indisciplina.

Mas como um apostador que arrisca um quinhão maior logo após uma arrasadora derrota, e por acreditar que a poesia sendo minha a cama estaria montada para mim, fui mais uma vez sem nenhuma decisão tomada, apenas com o meu livro Eu Também – que lancei junto com Filipe Polese em 2008 – nas mãos.

A poesia apareceu, entre consultas com o pessoal que estava no estúdio e mais algumas folhadas no livro. Sem nenhuma base musical, apenas declamei aquelas palavras. Naquele vão entre a minha voz e o retorno dela pelo fone as palavras pareciam ainda mais vivas, muito mais cheias de sentido e intenção.

Por um instante achei que o livro não seria o lugar ideal para poesias, e que elas estavam ali por circunstâncias históricas e evolutivas. Se não uma prisão, uma estrada esburacada.

Divagações libertárias a parte, o resultado me pareceu honesto, e não que eu ache que honestidade é o maior valor de uma arte, há muitas coisas para serem equilibradas.  Pelo menos não me esquivei diante da única premissa que me pareceu clara nesse projeto, a indisciplina.

Um abraço,

Antonio Rossa