Sete Questões para Jean Mafra

Num mundo “facebookiano” e “instagramático”, onde contadores de histórias e analistas contábeis são facilmente confundidos, onde a arte não mais parece ser impulsionada pela surpresa e discurso social contestatórios, mas por aplicativos e pesquisas de opinião, e principalmente no tempo onde a tecnologia está mais importante do que o Homem, ainda assim existem seres-humanos utilizando-se de certas “humanices” em busca de um novo elo propulsor.

Chegamos ao Século 21 até certo ponto melhorados, mas não melhores. É possível que todas as pessoas terão uma câmera fotográfica digital antes mesmo de todos terem três refeições diárias garantidas. A fome de fama parece ter similar peso àquela do estômago. Vejo Narciso finalizando Dionisio com uma chave de braço.

Tempos modernos? Excesso de tudo? Desbunde narcisista? Bolsa de velhos valores? Difícil precisar, ainda mais quando um artista consagrado como Bono Vox, por exemplo, diz estar em dúvida sobre a continuidade de sua banda U2, devido a sua crescente “irrelevância”.

Jean Mafra é um desses inquietos, artista, filé-mignon de analistas recém-formados, macho que choca, bicha que não é, um depravado lúcido, um importante que só ganhará tamanha importância no dia em que se levar menos a sério.

Chegou atrasado no tempo. Hoje letras precisam ser quase infantis e profusamente desconexas para terem chances, ainda que ínfimas, de falarem mais alto do que o falatório onipresente. Tempo este em que poesia e slogan, som e música facilmente se confundem.

Mafra é compositor dos bons, e dos ”maus”. Relata o lascivo como quem não se importa, mas no fundo arde de rancor por carregar a real noção de que seu impulso para a opinião pública, tantas e tantas vezes, fica aquém do seu real talento.

Não lhe falta atrevimento, nem ousadia, muito menos conteúdo e coragem. Talvez seja uma questão de tempo. Será que vai chover?

Está com disco novo, o urgente “Pressa” (ouça aqui), junto com seu Bonde Vertigem. Justamente no momento em que se prepara para ser pai novamente, e um certo ar de serenidade parece lhe dar as caras.

Deixou para trás, e no início, sua militância política, ao mesmo tempo em que seu novo trabalho é uma espécie de caldeirão das conseqüências políticas e econômicas dos últimos 50 anos no mundo, mesmo que nos detalhes.

Na entrevista abaixo, transcrita com suas habituais “minúsculas”, Mafra mais uma vez se abre, e se joga sem pára-quedas, no mar revolto das novas possibilidades.

Se a arte está cada vez mais próxima de um souvenier envernizado por instagram, Mafra continua a exalar entusiasmo no fazer de seu ofício, e sente que ainda há gás para seguir, com ou sem verniz.

Bom som e um abraço,

Antonio Rossa

1) Rossa: “Pressa” parece declaradamente (e positivamente) um disco “terceiro-mundista”. O “primeiro-mundo” está declinando?

essa nomenclatura me parece meio datada, embora ainda faça sentido, claro. mas a questão é que assim como o termo, a visão de que o “primeiro mundo” estaria a frente “do(s) terceiro(s)” acaba por não levar em consideração que as nações desenvolvidas, ou imperialistas, são o que são por sempre terem sido “dependentes” das riquezas dos países pobres. entre essas riquezas está a música. foi a diáspora negra que construiu a música popular como nós a conhecemos (jazz, samba, choro, tango, mambo, rock, etc). nesse sentido, declínio e ascensão acabam por se embaralhar. nos dias de hoje, a produção musical com mais vitalidade vem de lugares como bogotáluanda,monterreybelém e não de londres, são paulo ou nova york.

2) Rossa: Qual a versão atual de Jean Mafra? Qual “roupa” não te serve mais? 

estou interessado em me divertir. em ser feliz com quem quiser ser feliz. minha “versão atual” é um remix de mim mesmo. pronto pra pista.

não me serve mais a atuação política. aquilo me fez mal. cansei. quero me dedicar mais ao palco, a composição, ao texto, a família e aos amigos. continuarei a ser alguém político, claro, mas ao meu modo.

agora, de modo geral, ao contrário do que possa parecer, embora tenha amadurecido e mudado de opinião, acho que há certa coerência nas coisas que venho fazendo, dizendo, nos últimos 7, 8 anos.

3) Rossa: A internet nos dá a possibilidade de termos “quase tudo” a um clique da mão e até certo ponto vem se mostrando o que de mais próximo a uma democracia podemos vislumbrar. Por outro lado o culto ao individualismo promove um novo status de seres Narcisistas. Recentemente Bono Vox, do U2, chegou a cogitar o fim do U2 por conta de uma sensação de crescente irrevelância. Estamos próximos ao ideal de “igualdade das diferenças”ou o mundo sempre será doloroso, injusto e opressor, e de cima para baixo?

e agora?! quem sou eu para lhe responder algo do tipo?! posso dizer que o que atualmente me interessa e me alimenta no mundo da música vem de países e economias periféricas e que essa produção nasceu através de programas de produção musical pirateados. me emociona pensar que os mesmos programas baixados em lugares diferentes (rio de janeiro ou luandacidade do cabo ou san josé)  geraram músicas tão diversas e ricas e que essas manifestações surgiram de um drible na lógica da indústria. lamentavelmente muito dessas cenas não chega ao grande público, que ainda perde tempo ouvindo velhos roqueiros milionários… pena. mas as coisas estão mudando, a indústria fonográfica perdeu muitas batalhas e hoje já não tem mais a mesma força que teve e isso é muito bom para a música, para os músicos e para os públicos. de todo modo, o mundo ideal ainda está muito distante.]

4) Rossa: Passaram-se os anos e o tal sucesso global da música catarinense ainda não aconteceu, ninguém ficou milionário, nem está de caso com a Madonna. Estás animado com o cenário atual?

olha, no meu caso, nunca acreditei em “música catarinense”, embora continue esperançoso quanto a DOMINAÇÃO GLOBAL… rá!!!

antonio, não conheço música catarinense. posso te dizer que existe algo que possa ser chamado de música paraense ou, vá lá, de rock gaúcho, mas aqui não há esse sotaque tão forte. será que haverá algum dia? será que isso faz diferença? vivemos em um estado pequeno e super fragmentado, temos um campo de trabalho relativamente pequeno, não contamos com apoio do público local, por essas e outras, é possível dizer que os artistas locais construíram MUITO. estamos de parabéns!

agora, tivemos um momento muito bacana entre 2007 e 2009. havia uma cena, pequena, mas interessante. depois a coisa toda desacelerou e naturalmente houve uma reorganização das forças criativas…

estou feliz onde estou, tocando com quem estou. tenho hoje ao meu lado no palco músicos que admiro muito e que não apenas ajudaram a construir o que temos, mas farão o que está por vir. a saber, o bonde vertigem é formado por ulysses dutracisso fernando bordignon e gringo heinzmann.

no mais, o cenário de hoje é muito promissor, ano passado foram colocados na rua trabalhos maiúsculos de gente como cassim & barbáriamapuchefevereiro da silva e outros. acho que neste 2012 ainda virão outros tão bons quanto.

obviamente, há muito o que mudar. recentemente houve todo um “ôba-ôba” em torno de um possível fechamento dotalesyn no centro e todos correram para salvar o bar… ora, embora ache importante manter todo e qualquer espaço, me chamou a atenção a preocupação geral em ajudar um lugar que não tem a mínima infra para os artistas se apresentarem. detesto essa onda de se fazer de “underground”. fica parecendo que o legal mesmo é o artista detonado, sempre. domingos longo, organizador da festa “s.o.s. talesyn” me alfineta por aí, dizendo que me fantasio e coisas do tipo, mas vejo que ele, que faz um sub-sub rock gaúcho, vive há umas duas décadas brincando de roqueiro rebelde nos fins de semana… até aí, cada um com seus interesses, certo?! o problema é que esse tipo de comportamento pauta parte significativa do jornalismo cultural da cidade, sabidamente formado por amigos do poser, o verdadeiro. daí, que acho que ainda há muito o que melhorar…

no mais, a madonna já passou, né?! sou mais a m.i.a., que além de relevante, é linda.]

5) Rossa: Recentemente as clássicas “Mocinhas” perderam em audiência para as novas “Piriguetes”, mostrando que há um novo “cool popularesco”. Que tipo de mulher Jean Mafra seria? 

antonio, que pergunta, hein? não sei nem que tipo de homem sou… “meu segredo é menina, mas as vezes não”.

6) Rossa: Apesar de mais sutil nesse último trabalho, o tema “sexo” é uma constante no seu trabalho. Quem fala muito pouco faz? Isso faz sentido?

então… sempre me interessou essa coisa lasciva no palco, nas letras, mas isso não significa que minha vida seja essa loucura toda, certo?! atualmente estou bem comportado. estamos grávidos, eu e ana carina, daí que meu momento particular é menos efusivo e mais aconchegante. isso não significa que a música que quero fazer vá nessa direção. o sexo, a orgia, o corpo, o vinho são ainda o que interessam ao meu mise en scène

7) Rossa: Comente a frase: “A sede de conhecimento parece ser inseparável da curiosidade sexual.” (Sigmund Freud)

(pausa para uma longa e teatral gargalhada)

me parece que o sexo sempre pautou o ser humano. a busca por poder, por dinheiro, é tudo sexo. até a coisa das drogas, não deixa de ser uma busca por um prazer que tenta substituir o sexual. daí que a música, a música para se festejar, para servir ao corpo e a festa, não deixa de ser um caminho que serve a este objetivo: sexo e prazer.

de minha parte, um meio rápido e seguro para se chegar “lá” é o bonde vertigem.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: