Archive for gessinger

Sete Questões para Humberto Gessinger

Posted in musica, sete questoes with tags , , , , , , , , , on 26/09/2012 by transitoriamente

 

Mesmo que o sucesso seja algo subjetivo e fugaz e a música pop promova celebridades que amanhã simplesmente se apagarão, alguns artistas conseguem imprimir uma diferente versão para este fato e prolongar os seus 15 minutos de fama.

O gaúcho Humberto Gessinger vem há mais de 25 anos escrevendo a sua história dentro da música brasileira, ora com o seu Engenheiros do Hawaii, ora no power-duo Pouca Vogal ou até mesmo na literatura, onde o compositor já está na sua quarta publicação. Também se tornou blogueiro e atualiza todas as semanas, na virada de segunda para terça feira, o seu BloGessinger (Acesse aqui).

Sucesso nacional na virada dos anos 80 para os 90, Gessinger conseguiu a proeza de sobreviver ao onipresente “furacão pós-mainstream” – aquele que leva celebridades ao chão com a força de um tsunami – com novos trabalhos e a agenda cheia ao longo da década e meia que se seguiu, mesmo após a ruptura do clássico power-trio Gessinger, Licks e Maltz (GLM).

Quem viveu o momento sabe que o Engenheiros do Hawaii foi uma das bandas mais “achincalhadas” pela crítica nos anos 90, o que em parte ajudou o trio a contar um séquito de fãs fiés e defensores. Eram tempos pré-internet e o mundo da comunicação era montado numa espécie de pirâmide imóvel, com caminhos estreitamente inacessíveis.

Transcendeu formatos – o próprio Gessinger diz ter sobrevivido ao LP, K7, VHS, DVD, DAT, CD e mp3 – e mantém-se na ativa e na estrada. Atualmente encarna o Pouca Vogal junto de Duca Leindecker (Cidadão Quem) e o Trio Grande do Sul, com os músicos Esteban Tavares (Ex-Fresno) e Paulinho Goulart, além de mensalmente promover uma twitcam tocando seus clássicos e novidades.

A volta do Engenheiros parece adentrar o horizonte, apesar de Humberto não confirmar datas e nomes. O alfabeto que formará o “novo-velho” Engenheiros ainda é incerto. Apostas? 

Com vocês Humberto Gessinger no Sete Questões da Transitoriamente.

Um abraço,

Antonio Rossa

Antonio Rossa – Depois de mais de 25 anos de estrada, 19 discos lançados, mainstream em algum ponto da carreira, hoje as suas inquietudes estão mais estáveis? Existe um lugar chamado “lá” onde tantos querem chegar? Você sente que chegou “lá”?

Humberto Gessinger – Não há um objetivo alcançável. Sem bússola nem norte, a caminhada é tudo que há: estar em movimento, na direção que o coração manda. Depois de anos de arte/ofício, as linhas entre passado, presente e futuro ficam imprecisas.

AR – Num ambiente “transmidiático”, onde todas as formas de mídia interagem entre si, você acha que a canção corre o risco de se transformar em um mero pano de fundo? A sua escrita, seus livros, hoje lhe são uma espécie de “continuidade musical” ou uma necessidade?

HG – Desde sempre, pra muita gente, a canção é só um pano de fundo. Não faz sentido exigir que todos se relacionem com ela de forma mais intensa. Até para alguns colegas músicos sinto que a canção não parece ter muita transcendência. Quanto à literatura, ela ocupa algumas frequências no meu espectro sensorial. Assim como  o baixo ocupa as frequências mais graves e a guitarra as frequências médias do espectro sonoro.

AR – Em termos de impacto sonoro, um DJ solitário pode alcançar certos “volumes” que antigamente somente uma grande orquestra alcançaria. Uma banda hoje em dia é um formato datado? Veremos um dia o Humberto DJ (risos)?

HG – Pra mim, a questão não é o volume, é a performance. A música sendo feita de forma “irredutível”. Se for assim, o formato é secundário, instrumentos serão só ferramentas.

AR – O Engenheiros do Hawaii será reinventado? A cobra já mordeu o próprio rabo?

HG – A cobra ainda não fechou a boca… os dentes do cachorro ainda não separaram o rabo do corpo.

AR – Com HDs cada vez mais poderosos, quem sabe chegue o dia do “fim da memória” pessoal ou cerebral. Você arriscaria supor o impacto disso?

HG – É possível que aconteça, mas qualquer projeção feita por analogias está fadada ao fracasso. Não dá pra imaginar como seremos.

AR – O que mudou no Humberto compositor de 1986 e o de 2012? Com o passar do tempo a gente passa a entender, a aceitar ou a esquecer?

HG – O compositor aprendeu alguns atalhos que se nega a usar. Então: mudou ou não mudou? Se aprendeu, mudou. Mas se não usa, não mudou.

AR – Uma ideia para o futuro…

HG – Hoje li que um museu disponibilizou para www todo seu acervo de Goya. Quero deixar uma idéia de esperança na boa utilização da nossa tecnologia. É preciso acreditar, estamos naquele ponto do vôo onde já não há combustível para voltar. Muita gente propagandeia um passado mítico que, além de não existir agora, nunca existiu.

 

 

Advertisements

Nuvem no Grito

Posted in musica with tags , , , , , , on 13/07/2010 by transitoriamente


“Nuvem” – o EP que eu lancei no final de 2009 – vem seguindo seu caminho e passo a passo chegando a mais ouvidos atentos e que prestigiam os trabalhos autorais e independentes.

A revista catarinense Grito Coletivo, em sua edição n.4, indicou o “Nuvem”  em sua seção “Ouça”, o que ajuda a reforçar a ideia de que a música tem seu próprio caminho dentro do tempo.

Nessa edição n.4 você confere também uma bela entrevista com Humberto Gessinger sobre o duo Pouca Vogal, carreira, Engenheiros do Hawaii e mais.

Pra quem gosta de música a Grito Coletivo é uma ótima pedida.

Boa leitura e um abraço, Antonio Rossa

Pouca Vogal lança CD e DVD!

Posted in musica with tags , , , , , , , on 08/01/2010 by transitoriamente

 

Partirei da ideia de que muita gente já sabe do Pouca Vogal, duo formado por Humberto Gessinger (Engenheiros do Hawaii) e Duca Leindecker (Cidadão Quem) e então já partirei para o ponto mais importante desse post.

Há poucas semanas o duo lançou CD e DVD com 20 músicas gravadas ao vivo, em POA. Trata-se de um banquete com músicas dos Engenheiros, Cidadão e as 8 canções inéditas compostas para o projeto Pouca Vogal. Duca Leindecker parece ter encontrado a porta que possivelmente o levará para outras fronteiras, além do Sul do Brasil.

Apesar de Gessinger ter um histórico de “sucesso” diferente de Leindecker, vejo uma parceria bastante equilibrada, com os dois músicos trabalhando arduamente para dar conta de tantos instrumentos no palco.  Parece não sobrar espaço para apenas um “band leader”.

Duca vai de violão, guitarra, além do bombo leguero instrumento percussivo que ele toca simultaneamente (com os pés) com um dos instrumentos de corda. Ainda sobra espaço para uma meia-lua também tocada com os pés.

Gessinger chega de violão, piano, harmônica e midi pedalboard (uma espécie de piano tocado com os pés), além de uma percussão eletrônica também tocada com os pés.

Esse minimalismo tem sido importante para deixar as canções aparentemente mais expostas, mais claras, o que ao meu ver favorece o lado compositor dos dois músicos.

Acesse www.poucavogal.com.br e conheça a “menor banda do rock gaúcho”, segundo Gessinger.

Bom som e um abraço, Antonio Rossa

“Pouca Vogal” lançará CD, DVD e Blue Ray

Posted in musica with tags , , , , on 24/04/2009 by transitoriamente

0202b

Já tem muita gente dizendo por aí que o Pouca Vogal, o novo projeto de Humberto Gessinger (Engenheiros do Hawaii) e Duca Leindecker (Cidadão Quem) é muito mais animador do que os últimos 10 anos daquilo que muitos custaram a admitir como sendo Engenheiros do Hawaii. 

Não me parece exagero dizer que “Minuano”, de 1997, foi a última peça clássica da banda gaúcha liderada pelo Alemão. Depois tivemos uma sucessão de “mais do mesmo” e “covers de si próprio”, apesar de algumas pérolas no meio do caminho. 10O próprio Gessinger assumiu recentemente que estava havendo uma certa paralisia criativa em seu trabalho. 

É fato, em Pouca Vogal (saiba mais aqui), Gessinger parece ter feito as pazes com aquilo que ele melhor sabe fazer: Compor belas e expressivas canções.

 

Já Leindecker é instrumentista de primeira, escritor, produtor e dono de estúdio. 09Isso pode não dizer nada, mas diz muito. O guitarrista e compositor parece ter costurado uma carreira menos linear do que o seu parceiro atual de banda, por isso uma certa áurea de frescor em sua obra dá um tom de novidade ao projeto, já que este também pode ser visto por uma ótica histórica. 

 

O duo gravou seu primeiro CD/DVD/Blue Ray no último mês de março, no Teatro do CIEE, em Porto Alegre, e prepara o lançamento do material para os próximos meses.

 

Minimalista, com os pés no Folk e até certo ponto experimental, o projeto soma canções das antigas bandas do duo, acrescidas de novas e frescas composições. Além disso, no palco Gessinger ataca de Violão, Viola Caipira, Dodro, Harmônica, Piano e Midi Pedalboard (um teclado tocado com os pés). Já Leindecker empunha sua tradicional guitarra, violão e um Bombo Leguero (Um tambor tradicionalista muito usado na música gaúcha).

 

Velhas novidades… Isso é muito bom.

 

Bom som e um abraço, Antonio Rossa

 

*Todas as fotos por Melissa Mattos

 

Gessinger & Leindecker lançam Pouca Vogal.

Posted in Uncategorized with tags , , , on 12/09/2008 by transitoriamente

 

Se existe uma fórmula sutilmente clara para seguir adiante com os sonhos, essa talvez envolva a coragem de respeitar o tempo de cada coisa.

 

Num mundo de atropelos, onde tudo parece possível, veloz é quem sabe respirar.

 

Pouca Vogal, duo formado por Humberto Gessinger e Duca Leindecker, parece isso, um respiro profundo de alívio por estar nitidamente onde se deveria, fazendo o que se gosta e sem nenhum resquício de ansiedade ou falsas expectativas.

 

Lançado ontem – no histórico 11 de setembro – de forma virtual (acesse o site), o novo projeto dos gaúchos conta com 8 canções divididas em composições em parceria e de cada um deles em separado.

 

Uma certa dose de acaso permeia este trabalho, e isso cria uma atmosfera simplista, onde as canções ganham força justamente por não estarem envoltas num possível excesso de instrumentos e arranjos.

 

Pelas quatro primeiras canções disponibilizadas no site, não se pode dizer que houve mudanças significativas no estilo de compor de cada um deles, os temas parecem ainda recorrentes, apesar do frescor das novas canções.

 

A simplicidade e a variação de instrumentos roubam a cena. Tem bumbo-leguero, midi-pedalboard, viola, violão, piano e harmônica, recheados por belos duos vocais.

 

Críticos e ouvintes desatentos podem cair facilmente na vala comum ao tentar achar que em termos de composição Pouca Vogal é o terceiro acústico* seguido do Engenheiros do Hawaii, ou o número 8** do Cidadão Quem.

 

O que se vê é um trabalho maduro, simples e em tons minimais, cantado e tocado com emoção por dois grandes músicos da cena pop nacional que resolveram juntar idéias e tocar algumas canções. Bela parceria.

 

Bom som e um abraço, Antonio Rossa

 

 

*Gessinger lançou 2 acústicos seguidos com o Engenheiros do Hawaii nos últimos 4 anos.

** 7 é o nome do último disco do Cidadão Quem.

Trânsito Musical N.8 com Humberto Gessinger.

Posted in musica, transito musical with tags , , , , , on 25/08/2008 by transitoriamente

 

Gessinger & Nienow

Gessinger & Nienow

O Trânsito Musical chegou a sua oitava edição e desta vez conversei com Humberto Gessinger, líder do Engenheiros do Hawaii, na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi, em Florianópolis. O fato foi o lançamento de “Meu Pequeno Gremista”, livro onde Gessinger conta algumas histórias suas tendo o Grêmio como pano de fundo. Fábio Nienow interpretou as histórias do “Engenheiro” com belas ilustrações. 

Entre novas composiçôes com Duca Leindecker e o lançamento do livro, Gessinger deu uma pausa na sua fiel banda e montou um duo com o vocalista e guitarrista do Cidadão Quem. O projeto se chama “Pouca Vogal”.

A dupla já tem na agenda o lançamento do novo projeto: dia 17 de outubro, no teatro Bourbon Country em POA. Antes disso o duo lançará um site com as canções inéditas para download livre.

Nesta passagem de Gessinger por Florianópolis, rolou um pocket-show com grandes sucessos (e alguns Lado B) acompanhado no coro por uma platéia numerosa e inspirada.

Foi uma bela noite em Floripa.

Abraços, Antonio Rossa

Gessinger em Floripa! Mais algumas fotos…

Posted in musica with tags , , , , , , on 02/08/2008 by transitoriamente